LITURGIA DIÁRIA

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

A CELEBRAÇÃO DA QUARTA-FEIRA DE CINZAS


Irmãos e irmãs, estamos por estes dias diante do carnaval. Muita gente vai esquecer-se de Deus e lançar-se de corpo e alma numa total entrega à tudo o que pode destruir a pessoa humana: bebedeiras, drogas, prostituição, sexo livre. Muita gente vai assinar por estes dias o seu próprio atestado de óbito, uma vez que, vai procurar a todos custo obter um falso prazer, que deixa como resultado, quando não a morte violenta, uma vida vazia.
É verdade também, que muitas pessoas vão brincar o carnaval, como se costuma dizer, de uma forma sadia; compreendendo esta festa como um momento de diversão e cultural; sem bebedeira, sem drogas, lá na família, etc.
Há outros, ainda, que fizeram uma opção diferente: vão participar de encontros, retiros de carnaval, momentos de espiritualidade, enfim, de alguma forma procurar aproximar-se mais de Deus.
Pois bem! O fato é que na próxima quarta-feira inicia-se a quaresma. Celebraremos na Igreja a Quarta-feira de cinzas. Muita gente, porém, não sabe o signiicado desta celebração; não entende o porque de se colocar na cabeça as cinzas; não sabe o simbolismo que tem neste ato de colocar cinzas sobre a cabeça.
Certo é que, muita gente pensa que as cinzas é que vão perdoar os pecados cometidos. Há quem pense que é lícito fazer o que quiser com a própria vida durante os quatro dias de carnaval, desde que na quarta-feira esteja na igreja pra tomar cinzas. Há ainda, alguns desinformados, que não sabem o que a Igreja Católica entende por celebrar a quarta-feira e cinzas, e ficam dizendo bobagem.
Mas afinal, o que significa a celebração das cinzas? Como já dissemos a quarta-feira de cinzas é o primeiro dia da Quaresma no calendário cristão ocidental. As cinzas que os cristãos católicos recebem neste dia é um símbolo para a reflexão sobre o dever da conversão; as cinzas querem nos lembrar do dever da mudança de vida; nos recordando a passageira, transitória, efêmera fragilidade da vida humana, sujeita à morte.
A expressão "Lembra-te de que és pó e para o pó voltarás", convida a todos a refletir sobre a conversão.
A cerimônia das cinzas eleva nossas mentes à realidade eterna que não passa jamais; eleva nossa mentes a Deus. Converter-se quer dizer: voltar a Deus, valorizando as realidades terrenas sob a luz de sua palavra. A quarta-feira de cinzas quer nos lembrar isto: somos frágeis, infinitamente necessitados da misericórdia de Deus, limitados e extremamente carentes da Graça de Deus. Por isso mesmo é momento de penitencia, de conversão.
Sinônimo de "conversão", é assim mesmo a palavra "penitência" … A Penitência é expressão de livre esforço no seguimento de Cristo, procurando viver de acordo com sua palavra e jeito de viver.
As cinzas que vamos receber na próxima quarta-feira não é sacramento. As cinzas não salvam ninguém. São um símbolo, que nos lembram que devemos nos voltar urgentemente para Deus, buscando constantemente a reconciliação com ele e com os irmãos. Mas, repito, não são sacramento.
A Eucaristia, corpo, sangue, alma e divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, salva. A Eucaristia é Jesus mesmo agindo na vida de quem crê. É uma pessoa; a pessoa do filho amado de Deus. A Eucaristia, bem como os outros sacramentos tem caráter salvifico. As cinzas são apenas um símbolo e não um sacramento.
Mas a celebração deste ato litúrgico tem, como também já disse, uma finalidade importante: nos lembra que somos pó e tornaremos ao pó, e assim, necessitamos nos voltar o quanto antes para Deus, para que possamos receber o premio da imortalidade.
O uso litúrgico das cinzas tem sua origem no Antigo Testamento. As cinzas simbolizam dor, morte e penitência. Por exemplo, Jó mostrou seu arrependimento vestindo-se de saco e cobrindo-se de cinzas (Jó 42,6). Daniel ao profetizar a captura de Jerusalém pela Babilônia, escreveu: "Volvi-me para o Senhor Deus a fim de dirigir-lhe uma oração de súplica, jejuando e me impondo o cilício e a cinza" (Dn 9,3).
Devemos nos preparar para o começo da Quaresma compreendendo o significado profundo das cinzas que recebemos. É um tempo para examinar nossas ações atuais e passadas e lamentarmo-nos profundamente por nossos pecados. Só assim poderemos voltar nossos corações genuinamente para Nosso Senhor, que sofreu, morreu e ressuscitou pela nossa salvação. Além do mais esse tempo nos serve para renovar nossas promessas batismais, quando morremos para a vida passada e começamos uma nova vida em Cristo.
Finalmente, conscientes que as coisas desse mundo são passageiras, procuremos viver de agora em diante com a firme esperança no futuro e a plenitude do Céu.
É fundamental termos muito claro que, se nós aceitamos que nos imponham as cinzas na cabeça, estamos expressando duas realidades fundamentais: Em primeiro lugar, estamos aceitando que somos criaturas mortais; tomar consciência de nossa fragilidade, de inevitável fim de nossa existência terrestre, nos ajuda a avaliar a melhor os rumos que compete dar à nossa vida: "você é pó, e ao pó voltará" (Gn 3, 19); e em segundo lugar, estamos dispostos a escutar Deus, por quem somos chamados a nos converter ao Evangelho de Jesus e sua proposta do Reino, mudando nossa maneira de ver, pensar, agir. Receber as cinzas não é um mero ritualismo; pelo menos não deve ser. Mas é algo que deve tocar diretamente no nosso coração e nos fazer tomar uma atitude concreta, no propósito de mudança de vida e seguimento de Jesus.

pe. Ademir N. Farias

Um comentário:

  1. É sempre bom relembrar e adiquirir informações sobre a tradição e a nossa cultura.

    ResponderExcluir